No livro Nó Jeferson Ferreira se aproxima em certa medida de exercícios da deriva, dos situacionistas construindo seu caminho a partir da imobilidade dos desesperados numa época em que a velocidade da fuga suplanta perplexidade, segundo Állison da Hora.
Model: 978-85-66179-77-4
Product ID: 53
Product SKU: 53
New In stock />
Nó, de Jeferson Ferreira

Nó, de Jeferson Ferreira

Modelo:978-85-66179-77-4Disponibilidade: Imediata


Por:
R$ 35,00

ou 3x de R$ 12,13 com juros
Simulador de Frete
- Calcular frete

Na tribulação há o correr dos fugitivos e a estupefação de quem para. Numa época em que a velocidade da fuga suplanta a perplexidade de quem simplesmente não consegue – nem quer – fugir, os versos de Jeferson Ferreira são como o exercício da deriva, dos situacionistas: mais ainda além, chegando aos instantes inapreensíveis, construindo seu caminho a partir da imobilidade dos desesperados e da desabalada carreira dos que estão em pânico.

E aí temos do fragmento (que Novalis imaginava como porcos-espinhos, enigmáticos em sua própria clausura) a suposta objetividade do pequeno poema em prosa. Não como fotografias, como corre hoje, banal, pela sociedade da imagem e da espetacularização, mas como percepções profundas, como o desejo no olhar do comedor de ópio.

Anacrônico? Não, ainda mais agudo, porque essa percepção transcende a visão recorrentemente digital à qual nos acostumamos nesses dias, e justamente por isso a ultrapassa por fazer com que vejamos o mundo sob o olhar da descoberta mesmo.

O apocalipse é um eterno reescrever de finais que nos colocam no fatal caminho da origem, origem esta supostamente concluída, mas na qual moram os inacabamentos.

Estes, que nos colocam entre a tribulação da fuga e o pânico da estupefação de quem para. Porque poesia é intranquilidade.

Álisson da Hora.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


    Confira os produtos